Pix e os novos desafios para os bancos

Por Monica Nietsche em

Em meio à necessidade da redução da circulação de pessoas no isolamento social, as transações financeiras e pagamentos digitais estão ganhando bastante popularidade, o que abriu portas para novos sistemas serem desenvolvidos, assim nasceu o Pix e os novos desafios para os bancos.

O Pix é um sistema de pagamentos totalmente digital e com disponibilidade 24 horas por dia, sete dias por semana, compatível com transferências interbancárias e compensação praticamente instantâneas, desenvolvido pelo Banco Central (Bacen).

O sistema será disponibilizado para bancos com mais de 500 mil clientes, sendo que essas instituições terão até 16 de novembro para adotar a tecnologia, data em que o novo sistema deve começar a funcionar efetivamente para os brasileiros.

InterGATE integração de sistemas

Principais diferenciais do PIX

Além de aumentar a velocidade em que transferências ou pagamentos são feitos e recebidos, a ideia do Banco Central é que o PIX substitua meios de pagamento como o TED e DOC, que demoram para serem compensados.

Com o Pix, a transferência de valores entre contas acontecerá de forma quase instantânea, sem limite de valor, podendo ser realizado a qualquer dia e horário.

No geral, a Transferência Eletrônica Disponível (TED) permite a movimentação de valores entre contas bancárias, sem limite de valor, com o crédito na conta de destino sendo realizado no mesmo dia, desde que feito até as 17h.

Já o Documento de Ordem de Crédito (DOC) permite a transferência de, no máximo, R$ 4.999,99, com a compensação do crédito na conta de destino sendo efetivada no dia útil seguinte, ou em até dois dias úteis quando realizado aos finais de semana e/ou feriados.

Outra diferença é que para realizar a transferência bancária via PIX é necessário apenas dar um clique na informação da chave armazenada no celular; ou ler o QR Code do recebedor.

Para TED ou DOC é preciso digitar todos os dados bancários do recebedor – código do banco, o número da agência, o número da conta, o tipo da conta, além do CPF ou CNPJ.

O Banco Central destacou que outra diferença do PIX para os demais modelos de transferência é que tanto quem transfere quanto quem recebe o dinheiro é notificado instantaneamente quando a transação é concluída – com TED e DOC, nenhuma das duas partes recebia qualquer notificação.

Além da adequação com as normas de segurança por parte das empresas, é preciso levar em consideração um outro problema que a tecnologia ainda não consegue resolver: o fator humano.

Atenção à segurança dos dados

Mas, ao mesmo tempo em que novas tecnologias estão surgindo para otimizar processos antigos, empresas, instituições financeiras e clientes ficaram mais vulneráveis a golpes cibernéticos desde que a pandemia promoveu um aumento expressivo na digitalização das atividades do dia a dia.

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), houve um aumento de 44% em golpes que usam nomes de bancos ou instituições financeiras para roubar dados e movimentar dinheiro da vítima.

Outra pesquisa da Palo Alto Networks, constatou que mais de 40 mil sites de alto risco foram criados com o tema “COVID-19”.

Com a chegada do Pix, este cenário não deve ser diferente e as instituições envolvidas precisam tomar as devidas medidas para se proteger de possíveis fraudes.

Mas, mesmo contando com a adequação das normas de segurança por parte das empresas, é preciso levar em consideração um outro problema que a tecnologia ainda não consegue resolver: o fator humano.

Além de contar com o sistema de segurança da própria entidade, em setembro o Banco Central revisou uma regra sobre restituição de valores transferidos por suspeita de fraude.

Se houver algum comprovação de crime, será possível fazer reembolso sem autorização da pessoa que recebeu o depósito.

Além disso, Carlos Eduardo Brandt, chefe-adjunto do Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro do Banco Central, afirma que se for identificado um indício de fraude, o banco terá um tempo adicional de 30 minutos durante o dia e 60 minutos à noite para fazer uma verificação complementar e confirmar se a transação é verdadeira.

O Pix é um sistema de pagamentos totalmente digital e com disponibilidade 24 horas por dia, sete dias por semana, compatível com transferências interbancárias e compensação praticamente instantâneas
InterGATE integração de sistemas

FONTE: Computer World


0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *